Espumas Flutuantes Antônio Frederico de Castro Alves

Título:    Espumas Flutuantes

Autor:    Antônio Frederico de Castro Alves   

Categoria:    Literatura

Idioma:    Português

 Espumas Flutuantes Antônio Frederico de Castro Alves



Fragmento

ESPUMAS FLUTUANTES
Antônio de Castro Alves
À memória de
Meu Pai, de Minha Mãe
e de Meu Irmão
O. D. C.
PRÓLOGO
Era por uma dessas tardes, em que o azul do céu oriental — é pálido e saudoso, em que o
rumor do vento nas vergas — é monótono e cadente, e o quebro da vaga na amurada do navio —
é queixoso e tétrico.
Das bandas do Ocidente o sol se atufava nos mares “como um brigue em chamas”... e daquele vasto incêndio
do crepúsculo alastrava-se a cabeça loura das ondas.
Além... os cerros de granito dessa formosa terra da Guanabara, vacilantes, a lutarem com a onda invasora de
azul, que descia das alturas... recortavam-se indecisos na penumbra do horizonte.
Longe, inda mais longe... os cimos fantásticos da serra dos Órgãos embebiam-se na
distância, sumiam-se, abismavam-se numa espécie de naufrágio celeste.
Só e triste, encostado à borda do navio, eu seguia com os olhos aquele esvaecimento
indefinido e minha alma apegava-se à forma vacilante das montanhas — derradeiras atalaias dos
meus arraiais da mocidade.
É que lá, dessas terras do Sul, para onde eu levara o fogo de todos os entusiasmos, o viço de
todas as ilusões, os meus vinte anos de seiva e de mocidade, as minhas esperanças de glória e de
futuro:... é que dessas terras do Sul, onde eu penetrara “como o moço Rafael subindo as escadas
do Vaticano;”... volvia agora silencioso e alquebrado... trazendo por única ambição — a
esperança de repouso em minha pátria.
Foi então que, em face destas duas tristezas — a noite que descia dos céus, — a solidão que
subia do oceano —, recordei-me de vós, ó meus amigos!
E tive pena de lembrar que em breve nada restaria do peregrino na terra hospitaleira, onde
vagara; nem sequer a lembrança desta alma, que convosco e por vós vivera e sentira, gemera e
cantara...
Ó espíritos errantes sobre a terra! Ó velas enfunadas sobre os mares!... Vós bem sabeis
quanto sois efêmeros... — passageiros que vos absorveis no espaço escuro, ou no escuro
esquecimento.
E quando — comediantes do infinito — vos obumbrais nos bastidores do abismo, o que
resta de vós?
— Uma esteira de espumas... — flores perdidas na vasta indiferença do oceano. — Um
punhado de versos... — espumas flutuantes no dorso fero da vida!...
E o que são na verdade estes meus cantos?... 
2
Como as espumas, que nascem do mar e do céu, da vaga e do vento, eles são filhos da musa
— este sopro do alto; do coração — este pélago da alma.
E como as espumas são, às vezes, a flora sombria da tempestade, eles por vezes rebentaram
ao estalar fatídico do látego da desgraça.
E como também o aljofre dourado das espumas reflete as opalas rutilantes do arco-íris, eles por acaso
refletiram o prisma fantástico do entusiasmo — estes signos brilhantes da aliança de Deus com a juventude!
Mas, como as espumas flutuantes levam, boiando nas solidões marinhas, a lágrima saudosa
do marujo... possam eles, ó meus amigos! — efêmeros filhos de minh’alma — levar uma
lembrança de mim às vossas plagas!...
 São Salvador, fevereiro de 1870
 Antônio de Castro Alves

Espumas Flutuantes	Antônio Frederico de Castro Alves



Por Blog Caderno de Educação


Compartilhe Compartilhe Compartilhe
Compartilhe em suas Redes Sociais!


Sobre:
Este Blog visa compartilhar conteúdo e publicar matérias informativas ou sugestivas e livros em domínio público.


0 Comments:

Publicar um comentário

.
Com tecnologia do Blogger.

 

João 3 16 Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

voltar